Examine-se a si mesmo!

MCM Povos: aos confins da Terra

Rebeca*, nove anos, nepalense, vendida para exploração sexual na Índia. Em troca de um prato básico de comida, recebe diversos clientes num mesmo dia. Não tem nenhuma esperança, além de que, no dia seguinte, continue viva. Em seu coração, vagas lembranças de afeto e amor por parte de seus pais; agora resta apenas ira, dor, desilusão. Apenas no Nepal, estima-se que cerca de 12 mil crianças estejam na mesma situação que Rebeca.

Natália*, 12 anos, brasileira, nordestina, é uma das 100 mil meninas que se prostituem diariamente no nosso país, às vezes em troca de dois reais. Sonhava ser médica, mas a fome e o abandono a conduziu por um caminho mais dolorido. Seus sonhos, que antes eram promessa de um futuro digno, agora estão esquecidos, tão abandonados quanto a própria Natália.

Essas histórias parecem muito distantes e irreais para você?

No Brasil e no mundo, há milhares de pessoas que convivem diariamente com essa situação. Não fazem parte do lado mais sofrido, das vítimas. Mas do lado e disponível e disposto a mudar essa situação, usando seu tempo, recursos para curar a dor de outrem. São pessoas que tinham suas famílias, seus cursos e empregos em suas próprias cidades, tinham seus bens, suas conquistas. E que decidiram imitar Paulo, como ele escreve na carta aos Filipenses:

“Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; para conhecê-lo, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte; para, de algum modo, alcançar a ressurreição dentre os mortos. Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.”

O MCM Povos é um dos ministérios que têm treinado e apoiado essas pessoas. Com sede em Trindade, interior de Goiás, o MCM Povos possui diversas frentes de trabalho, devido às demandas que surgem diariamente. Todos os setores são focados no evangelismo, seja de crianças como as que apresentamos no início da matéria ou de tribos indígenas, levando o amor de Cristo aos que outrora receberam o ódio do mundo, às vezes disfarçado, como se procedesse de Deus.

Um dos treinamentos que o ministério oferece é o Intensivo MCM Povos, realizado em sua sede pelo período de um mês, com estadia, alimentação e preleções. As matérias básicas do primeiro nível do curso são caráter, teologia, missões, adoração e fé. É necessário ter, no mínimo, um ano de conversão para participar do curso. O segundo nível é direcionado para pessoas que já ocupem algum cargo de liderança em seus próprios ministérios.

Bárbara Silveira Araújo, 22 anos, moradora de Xangri-lá/RS, participou do intensivo em julho deste ano. Desde o início, suas motivações foram provadas e a cada dia tornava-se mais clara a decisão de ir ao Intensivo MCM Povos. Já havia marcado uma viagem de dois dias a Minas Gerais, para um congresso, e todos os planos começaram a dar errado. “Foram 15 dias de muita angústia e sofrimento, pois era um sonho que era para acontecer, mas não estava dando certo”, afirma.

E Deus confirmou em seu coração a vontade dEle: “num dia em que fiquei conversando com minha amiga na madrugada, Deus falou comigo para não lutar contra os propósitos dEle”, declara Bárbara.Faltava três dias para iniciar o intensivo em Goiás. Ela estava em Porto Alegre, pronta para a viagem para Minas Gerais, com uma mala para dois dias. “Não poderia vir a Xangri-lá pegar mais roupas. Fui com o que tinha na mala mesmo. Confiei em Deus”, recorda.

Já no Intensivo MCM Povos, Bárbara se viu confrontada a cada preleção. “No intensivo, somos preparados para tratar com outras pessoas que precisam de cura interior. E doente cuidando de doente… Vira loucura!”, afirma. O que mais marcou Bárbara foi a ministração sobre paternidade, pois confundimos nosso pai terreno com Deus, nosso Pai celeste. E nessa confusão, diversas mágoas são agregadas. “A família é a base e, se a base está com problemas, o resto da construção também fica comprometida”, alerta.

 

Por que fazer o intensivo?

Bárbara diz que foi “atrás de algo mais para minha vida com Deus”. No intensivo “comecei a ver a igreja como uma igreja de amor. Abraçamos-nos e encontramos ali unidade e cobertura espiritual”.

Além do intensivo, o MCM Povos possui outras áreas nas quais você pode participar. O único critério é dispor o coração e permitir que Deus trabalhe primeiro em você.

Print Screen – Entrevista com Bárbara Silveira Araújo

Provocação e som de qualidade

Contrariando as tendências do chamado “rock gaúcho”, em que a regra parece ser que “pra ser bom tem que ser tosco”, essa despretensiosa banda de nome estranho surge como uma voz dissonante no cenário independente brasileiro.

Aliás, ao ouvi-los pela primeira vez você jamais diria que são gaúchos: não apenas pelo sotaque nada sulista do vocalista Fábio Sampaio – que por sinal vem lá de Recife, mas pelo som que esses quatro guris apresentam.

Produzido e gravado pela própria banda e mixado e masterizado pelo experiente engenheiro de som Kiko Ferraz (Papas da Língua, Nico Nicolaiewsky, Aquaplay, etc.) o disco de estréia da TANLAN logo se mostra um disparate com relação ao que vem sendo feito lá por Porto Alegre. Uma massa de guitarras, baterias na cara, baixos pesados, algo longe do tosco, simplório e, por que não, barato.

Ao contrário da onda sessentista e da ânsia de soar “indie”, a TANLAN vem com músicas que não hesitam em soar radiofônicas e cantáveis, com refrões dignos dos grandes mestres da música pop. Mas não aquele pop chiclete, de usar e jogar fora. Um pop rock inteligente e uma produção digna de bandas americanas e britânicas, coisa rara no cenário brasileiro hoje em dia.

Mas, o traço que talvez marque definitivamente a distância desses guris com o que é produzido por aqui seja as letras. Enquanto muitos estão preocupados em dizer que “o inverno é bom pra fazer neném” ou gritar que “estão sem erva”, estes quatro bons moços preferem dizer que “a vida é muito mais do que viver aqui”, ou que o amor “é mais do que as coisas que tua mãe te disse.”

TANLAN

Cansado de modismos, tendências e bandas fabricadas? Acha que pra ser bom tem que ser tosco? A TANLAN te prova que não, tchê.

Abaixo entrevista com a banda:

Christian Culture: como a TANLAN começou?

TANLAN: Começamos em 2005, em Porto Alegre. Como somos todos cristãos, viemos de uma mesma comunidade cristã, onde já tínhamos um forte envolvimento com música. Fábio Sampaio, vocalista e guitarrista, veio do Recife para Porto Alegre e começou um trabalho solo. Aos poucos, Tiago Garros (baixista) e Beto Reinke (guitarrista) se juntaram a ele e formaram a Fabio Sampaio e Banda, juntamente com outro baterista, Vinícius. Com esta formação, gravaram um CD – que nem sei se existe ainda em algum lugar. Enquanto isso Fernando Garros (baterista), depois de ter passado por várias bandas no circuito do rock gaúcho e também da noite porto alegrense, procurava uma banda que tivesse uma nova proposta e um novo som, mas que fosse integralmente formada por cristãos. Todos se falaram e decidiram por um novo projeto. Desta união nasceu a TANLAN.

Christian Culture: a formação atual é a mesma desde a criação?

TANLAN: Não, a primeira formação da TANLAN incluía mais um guitarrista, Wilkirson “Kiko” Magiolli, um dos melhores guitarristas que conhecemos e ainda hoje um grande amigo.

Christian Culture: por que o nome TANLAN?

TANLAN: procurávamos uma associação com a proposta da banda. E a figura do louva-Deus sempre foi interessante. É talvez o único animal que tem Deus envolvido no nome. Bem, o louva-Deus inspirou uma forma de kung fu, baseado em seus movimentos para pegar sua presa. Esse estilo se chama kung fu TAN LAN, que é louva-deus em chinês. Entendemos que a vida cristã é uma luta diária, entre aquilo que eu quero fazer e aquilo que eu devo fazer. É muito difícil ser cristão hoje em dia, diante de um mundo que nos oferece tantas coisas legais, mas que tiram o nosso foco da vontade de Deus. É, na verdade, uma luta mesmo. Mas o cristão, para lutar, não usa armas, ele luta de um jeito diferente nessa guerra espiritual. Poderíamos dizer que “o jeito que o cara que louva a deus luta é o TAN LAN”. Engraçado, né? Daí a associação com o nome.

Christian Culture: qual o propósito da TANLAN? Que mensagem procura transmitir em suas músicas?

TANLAN: o propósito principal da TANLAN é ser relevante no meio em que estamos inseridos. É levar uma atitude, um posicionamento diferente diante da vida para um mundo pós-moderno que tenta encontrar sentido em qualquer coisa, seja no amor, na política, na paz, na agressividade, na rebelião, na própria religião, etc. Fazemos isso com a música, que é um facilitador. Assim como o esporte, a música é acessível, derruba barreiras, unifica e entra onde talvez outra forma de comunicação não entraria. Mas acima de tudo está a nossa conduta de vida. O Evangelho não está literalmente nas nossas letras, mas está literalmente em nossas vidas, em nosso andar diário. A proposta da TANLAN não é pregar o Evangelho com a música, ela (a música) é apenas um facilitador, como eu disse antes. Nosso testemunho como pessoas é que prega o evangelho. Então nossa mensagem é a de que: sim, existe outro jeito de resolver conflitos familiares; sim, existe resposta para o que vem depois da morte; sim, existe um amor que não falha, que não nos decepciona e que dura para sempre; sim, existe conforto na solidão e no desespero; e sim, existe esperança onde não vemos esperança nenhuma. Esta é a mensagem da TANLAN.

Christian Culture: poderia se dizer que a provocação e o estímulo à reflexão, aliados a um som de ótima qualidade, são estratégias marcantes da banda?

TANLAN: sim, é completamente proposital. Mas também é automático para nós, devido à nossa formação musical, intelectual e espiritual. Veja, existe um bloqueio nas pessoas quando o assunto é evangelho e tudo o que se relaciona com ele (a palavra gospel principalmente). Por isso, falamos sobre as questões que o evangelho aborda de maneira contextualizada, para que as pessoas se perguntem, questionem, queiram saber mais. Podemos dizer que a música da TANLAN é ideal para se usada como mais uma ferramenta na vida de uma pessoa que está tendo os primeiros contatos com o evangelho, através do testemunho de alguém (no trabalho, na escola, na universidade, nos sites de relacionamento), assim como um texto, um folheto, uma palestra, um filme. Só a música da TANLAN ou só o nosso show, não vai funcionar. A não ser que aconteça algo sobrenatural, que nós não controlamos, mas damos liberdade pra que isso ocorra, em nossos shows por ai ou com que escuta o CD, que faça com que haja uma transformação imediata e direta.

Christian Culture: os integrantes se dedicam apenas à banda? Em quais áreas atuam?

TANLAN: o objetivo é dedicarmos 100% do nosso tempo ao projeto. Isso ainda não acontece. Hoje temos um professor, um editor de áudio, um designer gráfico e um publicitário, ainda atuando nesses mercados.

Christian Culture: quais são seus próximos projetos?

TANLAN: estamos divulgando o nosso CD de estreia “Tudo Que Eu Queria”, viajando pelo país com ele. Portanto, ele tem uma vida longa ainda. Já temos algumas idéias para novas composições, mas não nos dedicamos pra isso ainda. Queremos divulgar mais o nome da banda na mídia, em todos os espaços possíveis, como o seu. Cremos demais nessa idéia e precisamos de todos os esforços para levá-la adiante.

Perseguição a cristãos no Brasil

O Brasil, segundo avaliação do Ministério Portas Abertas, não está na lista dos primeiros 50 países com perseguição a cristãos, mas já apresenta alguns problemas. A lista dos países perseguidos apresenta vários motivos para isso: religiões diferentes e visões políticas discordantes são as mais apresentadas. O Brasil está enfrentando o início da perseguição através da justiça, num estado democrático de direito.

Há vários projetos de lei tramitando ou leis aprovadas em todo o país, nos níveis municipais, estaduais e nacional, limitando as ações de cristãos, até mesmo dentro de seus próprios templos.

A principal reivindicação da justiça brasileira é relativa aos homossexuais. Por exemplo, julgam correto ministros religiosos abençoarem casamentos entre homossexuais, ou permitirem sua participação ativa em seus seminários, cursos, eventos e rituais cristãos.

Entenda-se bem que não é, de modo algum, proibido ou reprovável que um homossexual frequente um culto, uma missa, ou um espetáculo cristão. Porém é totalmente diferente um pastor batizar uma pessoa que se declara homossexual e que não quer deixar a prática; ou permitir que um homossexual ministre a palavra ou o louvor durante um evento cristão, pois todos os que fazem isso são padrão para a multidão de fiéis que está a frente, e não podemos ter uma pessoa fora do padrão da palavra de Deus numa posição de autoridade.

O Projeto de Lei Complementar 122/06, que criminaliza a homofobia, é amplamente divulgado, porém totalmente mal focado. Cristãos não são homofóbicos. Cristãos crêem que o homossexualismo não agrada a Deus.

Inclusive, se torna contraditório o dito “fé é individual, não se discute” quando a justiça brasileira quer discutir a fé cristã, como ela deve se portar e o que deve aceitar.

O assunto tem sido discutido por autoridades cristãs e do governo, levando todos a refletir o que realmente significa liberdade. A Bíblia nos auxilia nesse sentido, pois declara: onde o Espírito de Deus está, aí há liberdade (segunda carta aos Coríntios, capítulo 3, versículo 17).

Mesmo que homossexuais sejam batizados, casem em nossos templos, sejam pastores, ministros de louvor, professores, missionários e que criem seus filhos numa congregação cristã; poderá alguém ser tão contraditório e seguir ritos cristãos, obedecendo mandamentos de Jesus Cristo, sem antes devotar-lhe o próprio coração, aceitando todos os seus preceitos, e não apenas aqueles que lhe convém, e deixando que Deus diga o que deve ser feito?

Pode alguém achegar-se a Cristo, aceitando-o como Salvador e Senhor, sem antes dizer “seja feita a tua vontade e não a minha”? Essa premissa é para todos os cristãos, em todas as áreas de suas vidas.

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. (Evangelho de João 8: 34)

E você, o que pensa a respeito? O que a sua Bíblia diz sobre o assunto? E nela, você confia?

Nunca deixe seu parceiro para trás

Prova de Fogo é o mais recente filme da Sherwood Pictures, a mesma que produziu o inesquecível Desafiando Gigantes. Podemos resumir a obra na frase “nunca deixe seu parceiro para trás”. Ela se aplica ao heróico bombeiro Caleb Holt, mas também ao esposo que ele prometeu ser para sua Catherine sete anos atrás – promessa que não está cumprindo.

 Caleb orgulha-se de sua profissão: salvar vidas de acidentes e incêndios é sua ocupação mais notável. Porém, ele está deixando sua esposa para trás. Sem que perceba suas falhas, o casal pensa no tão temido divórcio. Exatamente nesse momento, o pai de Caleb oferece uma alternativa: que Caleb persevere por mais 40 dias, esforçando-se para salvar seu casamento e aplicando a leitura do livro O Desafio de Amar. O livro contém estudo bíblico e orientações para cada dia, no sentido de auxiliar casais com dificuldades de relacionamento.

O filme Prova de Fogo e todas as obras relacionadas são referências para encontros de casais e ministérios para a família. Se você quer salvar seu casamento das chamas da ira e do rancor, este filme pode ajudar.

O filme acima é o trailler da obra, mas a mensagem essencial está no vídeo abaixo.

A obra já foi assistida em mais de 850 salas de cinema nos Estados Unidos e o livro O Desafio de Amar foi o bestseller que ficou em primeiro lugar no mesmo país por quatro semanas. O filme foram lançados no Brasil pela BV Films.

No dia 1º de abril deste ano, a Dove Foundation anunciou os vencedores do The Crystal Dove Seal, prêmio anual dedicado a filmes que valorizam o entretenimento familiar. Dentre diversas categorias, Prova de Fogo (Fireproof) leva o Crystal Dove Seal de Melhor Drama.

prova

Acampamento Underground no Rio Grande do Sul

Orkut Underground

No fim de outubro deste ano, o Underground, ministério jovem do Portas Abertas, fará um acampamento no Rio Grande do Sul, em Esmeralda. O evento, promovido por um ministério de serviço a cristãos perseguidos por sua fé em todo o mundo, terá simulação de perseguição, palestras e  dinâmicas. Membros do ministério já estão se organizando para fazer do evento um marco na Igreja do Rio Grande do Sul e na vida de cada cristão que estiver lá. O alvo principal é impactar os participantes com os testemunhos reais, a fim de que se identifiquem com aqueles que pagam mais caro para ter a mesma fé.

090927HTML_acampamento2009

Hello world!

Seja bem vindo ao site Christian Culture! Aqui vocês encontra informações sobre ministérios e grupos cristãos de todo o mundo.

Estima-se que hoje há dois milhões de cristãos em todo o mundo. Isso significa quase um terço dos habitantes da Terra! Embora haja muitas ramificações e diferenças entre tantos grupos que se denominam cristãos, dos mais conservadores aos mais tradicionais, o que importa para o Christian Culture é que os cristãos desenvolvam seus aspectos em comum, enfim, que busquem a unidade naquilo que são iguais: sua fé em Jesus Cristo.

A Igreja cristã está repleta de pessoas comprometidas com Deus, dispostas a manifestar a sua glória por toda a Terra, em todas as línguas, para todas as nações, com amor por todas as etnias.

É um universo a ser compartilhado. O Christian Culture foi criado para isso.  Aqui você encontra divulgação de livros, músicas, eventos e novidades de ministérios cristãos; valiosas ferramentas para todos os que estão atrás de um verdadeiro tesouro: ser cada dia mais semelhantes a Jesus. Compartilhe você também!

Por que dissonantway?

Dissonantway significa caminho dissonante em inglês.

Significa exatamente o que o cristianismo é: um caminho diferente. Não é uma estrada na qual você anda sem perceber, ou até mesmo sem querer, sem propósitos definidos. Se você decidir entrar nesse caminho, perceberá que está indo na contramão da maioria. Não porque você vira “certinho”, mas porque decide viver com propósitos eternos.

Se você ainda não está nesse caminho, mas se identificou com ele, contate a equipe do Christian Culture, atráves do e-mail dissonantway@gmail.com!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.